Covid-19 ganha espaço enquanto servidores esperam resposta da PMC sobre adicional de insalubridade

O crescente número de casos de Covid-19 e de mortes em decorrência da doença tem preocupado a população e amedrontado os profissionais de saúde de Curitiba. Apesar disso, a prefeitura ainda não se manifestou sobre a situação do adicional de insalubridade dos servidores que ocupam a linha de frente na luta contra o novo coronavírus.

Vários municípios já aprovaram o pagamento enquanto perdurar a pandemia, como o Distrito Federal, ou têm projetos neste sentido em tramitação. A diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais de Enfermagem de Curitiba (Sismec) não descarta levar a questão ao judiciário em breve.

Uma série de apelos foi feita à gestão municipal desde abril, mas, segundo o sindicato, não houve retorno. “Solicitada a insalubridade em grau máximo, se fazem de surdos e não respondem”, diz a presidente da entidade, Raquel Padilha.

O Sismec fez várias tentativas, além da Câmara de Vereadores já ter recomendado o pagamento da maior taxa. “O município de Curitiba mostra desprezo aos seus servidores, eis que até por equipamentos de proteção precisamos brigar”, lembra Raquel.

No Brasil, 23.485 casos de Covid-19 entre profissionais da categoria foram reportados ao Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), com 240 mortes (dados atualizados às 10h12 de 7/7). De acordo com os registros do Sismec, Curitiba já contabiliza quatro óbitos de servidores: três técnicos e um médico, até esta quarta-feira (8).

Imagem: Fernando Zhiminaicela por Pixaba