Breve relato da reunião com a SMS

Bom dia colegas da Enfermagem.
É de conhecimento de todos que no dia 30/05/18 , fomos recebidos para uma reunião com a SMS. Iremos procurar relatar abaixo, de maneira clara, como esta transcorreu.
Estavam presentes: a Secretaria de Saúde, Márcia Huçulak, juntamente com seus assessores, bem como diretores do DUE; a vereadora Noêmia Rocha; o SISMEC, com seu departamento jurídico e representantes do SAMU.
A Secretária da Saúde abriu a reunião dando ênfase ao seu currículo e tempo de experiência dentro da prefeitura. Com atitude rígida, declarou que não havia gostado do artigo informativo publicado pelo SISMEC, onde constava sua imagem, e afirmou que irá tomar providencias legais sobre o ocorrido.
Após a breve abertura da reunião, Márcia Huçulak deu início a explicação do por que o remanejamento do SAMU está sendo realizado. Alega que não existe terceirização com a contratação de funcionários pela FEAES, pois esta seria uma Autarquia do Município, a qual a própria Secretaria afirmou ter envolvimento na criação e que atualmente é membro do Conselho Curador da FEAES. Reforçou que o RH da referida fundação onera bem menos os cofres públicos em relação aos servidores estatutários, pois a falta de receita na PMC é constante. Explicou que a gestão é feita de escolhas e que no momento a atual gestão entendeu que o melhor custo benefício seria conceder a FEAES para prestação de serviços do SAMU, pontuou ainda que estão sendo seguidos rigorosamente todos os tramites legais e que não vê razões para fazer de maneira diferente o remanejamento.
A diretoria do SISMEC questionou sobre porque não apenas suprir os déficits de pessoal com a FEAES, mantendo as equipes nos locais. Foi respondido que é inviável manter equipes com regimes trabalhistas diferentes no mesmo serviço, pois as escalas não se encontrariam, uma vez que a FEAES exerce 40 horas semanais. Argumentamos que em outra instituição de saúde pública existem funcionários contratos diretamente pela instituição e funcionários contratados por fundação trabalham na mesma escala, a resposta foi que essa instituição está respondendo legalmente por isso.
Em seguida foi questionado quando as outras unidades do SAMU e UPAS iriam ser repassadas para a FEAES, disseram não ter uma previsão no momento, mas que a intenção é repassar todo o setor de Urgência e Emergência a fundação.
A diretoria do SISMEC levantou a questão sobre como os remanejamentos normalmente eram abertos para todos e não em partes como este último, foi respondido que fica muito difícil ser feito desta maneira (inviável) e que será mantido por serviços.
Questionamos então onde serão lotados os novos profissionais de enfermagem, convocados do concurso, e a resposta foi que será nas UMS. Questionou-se então que temos muitos servidores lotados no SAMU aguardando o remanejamento para as UMS e do por que não abrir essas vagas para eles, respondido que será estudada a possibilidade de chamar primeiro os profissionais do remanejamento que tenham o desejo de ir para as UMS, porem foi ressaltado pela gestão que será estudado e que só poderá vir a ocorrer se no local escolhido houver déficit de funcionários, ou seja, não nos foi dado uma resposta definitiva sobre este ponto.
Referente ao questionamento sobre a insatisfação dos servidores quanto à sobrecarga de tarefas, foi respondido apenas que esta será resolvida com a contratação de novos servidores.
Ao final da reunião ficou acordado que haverá novas reuniões entre o SISMEC e a gestão para que sejam debatidas as reinvidicações feitas pela categoria, bem como para acompanhar os remanejamentos previstos, tais como da ESF que já esta em andamento.